EFEJohanesburgo

A África do Sul lembra nesta quarta-feira com diversas atividades o quinto aniversário da morte de Nelson Mandela, em um ano que foi marcado pelas homenagens a este ícone da luta contra o apartheid, já que completaria 100 anos em 2018.

Em Qunu (sudeste da África do Sul), cidade natal de Mandela, os moradores e autoridades organizaram uma passeata pela paz que sairá da casa onde ele morou.

Para o ato é esperada a presença de políticos sul-africanos e familiares do líder, que também prestarão homenagens em seu túmulo.

Por sua vez, a Fundação Mandela tem prevista uma palestra na qual será analisado como os veículos de imprensa narraram o seu falecimento e lembraram a sua vida em 2013.

No entanto, o grande ato vai acontecer amanhã, uma conferência que terá como eixo principal a "importância da lembrança" para moldar o futuro, na qual a escritora de origem nigeriana Chimamanda Ngozi Adichie será a oradora principal.

Nesta quarta-feira, os sul-africanos também estão convocados a participar de outras atividades populares, como uma caminhada pela liberdade em Pretória.

Não haverá, no entanto, grandes homenagens por parte da Presidência da África do Sul, segundo confirmaram à Agência Efe fontes oficiais.

Nelson Mandela morreu em 5 de dezembro de 2013, aos 95 anos, depois de um longo período convivendo com problemas respiratórios.

"Madiba", como o líder é chamado pelos sul-africanos, teria completado 100 anos no último dia 18 de julho.