EFEBruxelas

O técnico croata Ivan Leko foi liberado nesta quinta-feira, após prestar depoimento à justiça da Bélgica, em meio a uma investigação que sacode o futebol do país, e acabou acusado formalmente de participar de esquema de lavagem de dinheiro.

O comandante da equipe, que disputa a Liga dos Campeões, passou a noite na prisão e foi interrogado por um juiz de instrução. Representantes do Ministério Público belga concederam entrevista coletiva hoje e afirmaram que 22 pessoas estão sendo ouvidas - depois disso, foi revelado número total de 28 implicados.

O caso investigado é o de suposto esquema de manipulação de resultados, fraude e lavagem de dinheiro, que ainda envolve outros seis países, França, Luxemburgo, Chipre, Montenegro, Sérvia e Macedônia.

De acordo com o advogado do técnico do Club Brugge, Walter Van Steenbrugge, o croata não foi acusado de envolvimento com o arranjo em partidas na Bélgica, mas, admitiu participação no sistema de lavagem de dinheiro.

"Isso diz respeito a um pagamento efetuado há vários anos, por isso, devem rever os impostos que pagou", afirmou a defesa de Leko, em entrevista coletiva.

Segundo o advogado, o treinador estará de volta ao trabalho amanhã, comandando treino do atual campeão belga.

Ao todo, sete pessoas estão sendo formalmente acusados, sendo quatro por participação em organização criminosa e corrupção.

Ao todo, nove clubes estão apontados como envolvidos no esquema investigado pela justiça, o Anderlecht, o Club Brugge, o Standard de Liège, o Genk, o Kortrijk, o Oostende, o Lokeren e o Gent, todas a primeira divisão, além do Mechelen, da segunda.

Ao todo, foram sequestradas pela justiça bens e contas bancárias, que geraram arrecadação de 3,6 milhões de euros (R$ 15,5 milhões).

A acusação aponta que agente de jogadores Dejan Veljkovic, que tinha ligação até o último ano com o Mechelen e seria líder do esquema, que geraria comissões e vantagens fiscais a alguns jogadores, que ocultavam o dinheiro em empresas sediadas em Chipre, Montenegro e Sérvia.

Segundo o jornal belga "Le Soir", outro envolvido seria um dos agentes mais influentes do futebol belga, Mogi Bayat, ex-dirigente do Charleroi, que teria manipulado a transferência de vários jogadores, visando aumentar as próprias comissões, assim como o ex-diretor do Anderlecht Herman Van Holsbeeck.