EFEBogotá

O ministro do Esporte da Colômbia, Ernesto Lucena, disse nesta terça-feira não ser entusiasta da realização da Copa América, marcada para acontecer neste ano no país e também na Argentina, caso não seja possível a presença de algum público nas arquibancadas.

"Uma Copa América, sem público, não teria sentido", disse o integrante do governo colombiano, em entrevista à emissora local "Caracol Radio".

Lucena revelou ainda as autoridades da Colômbia estão trabalhando em protocolos de biossegurança para viabilizar a realização da competição continental.

"Para ter uma ocupação aproximada de 30%", disse.

O ministro garantiu ter confiança de que a campanha de vacinação contra o novo coronavírus "seguirá no ritmo atual", o que fará com que o número de casos de infecção mantenha a tendência de queda nas próximas semanas.

"Isso ajudará para que possamos ter uma maior presença de público", previu Lucena.

A edição da Copa América compartilhada entre Colômbia e Argentina deveria ter acontecido em 2020, foi adiada para este ano, por causa da pandemia da Covid-19.

Desde que começou a propagação do novo coronavírus, foram registrados no território colombiano 2.255.260 casos de infecção, além de 59.866 mortes.

Lucena ainda completou que a Colômbia estará pronta para receber a Copa América, caso seja sede única, embora isso não signifique qualquer tendência de desistência da Argentina.

"O mais importante, é a mensagem de que estamos trabalhando em todos os assuntos referentes aos protocolos, que é uma preocupação que tem a Conmebol", afirmou.

Segundo o ministro, a entidade continental não apresentou qualquer "mínimo de ocupação" nos estádios, e que o governo colombiano é que estima 30% de público, que é o que a comissão de especialistas do Executivo estima para o torneio.