EFEAssunção

A Confederação Sul-Americana de Futebol (Conmebol) rejeitou nestaa quinta-feira o pedido do governo da Colômbia de adiar a Copa América deste e anunciou que o país não será mais um dos anfitriões do torneio ao lado da Argentina.

Nas próximas horas, a entidade anunciará se todo o torneio será realizado em território argentino ou se haverá outro coanfitrião.

A Conmebol argumentou que a proposta colombiana não é viável por razões relacionadas ao calendário internacional de competições e à logística da competição.

A Copa América seria realizada em 2020, mas foi adiada para este ano por causa da pandemia da Covid-19 e está programada para ser disputada, até agora, de 13 de junho a 10 de julho.

Nesta semana, o presidente da Argentina, Alberto Fernández, havia dito que seu país poderia recebê-lo como sede única se o cumprimento das medidas sanitárias contra a o vírus SARS-CoV-2 fosse garantido.

A entidade agradeceu "o entusiasmo e o compromisso colocados" pelo presidente da Colômbia, Iván Duque, e por seus colaboradores, assim como pelo presidente da Federação Colombiana de Futebol, Ramón Jesurún, e sua equipe. "É certo que no futuro surgirão novos projetos conjuntos para o crescimento do futebol colombiano e sul-americano", finaliza a nota.

A Conmebol respondeu ao anúncio feito uma hora antes pelo Ministro do Esporte da Colômbia, Ernesto Lucena, no qual seu governo pediu para a confederação adiar o torneio. O país argumentava que com a remarcação seria possível ter torcedores nas arquibancadas.

Contudo, por trás da solicitação estaria a dificuldade em combater a pandemia e a agitação social vivida em território colombiano há quase um mês. A população está nas ruas desde o dia 28 de abril pedindo a renúncia de Duque, entre outras reivindicações, e conflitos com policiais deixaram pelo menos 42 mortos.