EFERoma

Contratado pela Juventus em uma troca com o Manchester City que envolveu o português João Cancelo, o lateral-direito Danilo admitiu nesta terça-feira que a presença de Cristiano Ronaldo no elenco pesou para que ele decidisse defender a 'Velha Senhora'.

"Conversei com Cristiano antes de vir para a Juventus. A gente brincou, eu disse que queria a camisa 7, mas que não pude escolhê-la porque estava ocupada. Ele foi importante para a minha decisão, me disse que a Juventus é um clube fantástico, como uma família, e me deu as boas-vindas", disse Danilo no Allianz Stadium ao ser apresentado oficialmente na octocampeã italiana.

O Manchester City, pelo qual o jogador de 28 anos atuou nas duas últimas temporadas, cedeu os direitos do brasileiro e ainda pagou 30 milhões de euros para pode contar com Cancelo. Antes, o mineiro de Bicas havia vestido as camisas de América-MG, Santos, Porto e Real Madrid, clube no qual coincidiu com Cristiano Ronaldo.

"Cristiano me pareceu muito motivado, muito satisfeito. É o primeiro passo para grandes vitórias, e para mim foi ótimo conversar com ele. Disse que a Juventus é uma família, que os membros do clube, os jogadores, são como parte de uma família", disse Danilo, que destacou estar chegando à Juventus em grande fase.

"Cada momento é importante para crescer como atleta e como pessoa. No Porto, vivi um momento mágico, mas acho que chego à Juventus no momento correto. Os últimos quatro anos (após ter defendido Real e City) foram fundamentais para conseguir uma mentalidade vencedora", analisou.

Em Manchester, Danilo trabalhou com Josep Guardiola, e na Juventus trabalhará com Maurizio Sarri. Os dois técnicos têm filosofias parecidas.

"Não quero fazer comparações. Cada técnico tem as suas particularidades. As ideias dos dois são muito parecidas, pelo estilo de jogo e pelo que pedem durante os jogos. Isso é muito positivo", comentou.

Dono de dois títulos da Liga dos Campeões pelo Real Madrid, Danilo agora quer ajudar a Juve a vencer o torneio e, assim, quebrar um jejum de 23 anos.

"Sei o que significa para um jogador, dá até calafrios. É preciso encarar cada jogo e cada competição com a mesma seriedade. Um clube vencedor atua dessa maneira, só assim se pode chegar longe, e na Champions não é diferente", considerou.