EFELondres

O espanhol Ferrán Soriano, CEO do Manchester City, garantiu nesta quarta-feira que as alegações da Uefa para tirar o time das competições continentais pelas duas próximas temporadas são falsas.

Na semana passada, além do banimento de torneios como a Liga dos Campeões, em 2020-2021 e 2021-2022, os 'Citizens' ainda terão que pagar 30 milhões de euros (R$ 141,5 milhões), por causa do descumprimento do Fair Play Financeiro da entidade.

Em declarações divulgadas pelo clube de Manchester, Soriano garantiu que a diretoria reconhece ter o apoio dos torcedores e que esse é mais uma dificuldade dos 'Citizens' ao longo dos anos.

"Este é só mais outro desafio. Estaremos juntos, passaremos por isso e não decepcionaremos nossa gente. O mais importante que tenho a dizer é que as acusações são verdadeiras. Simplesmente, não são verdadeiras. Faremos tudo o que é possível para demonstrar", disse.

Soriano garantiu ainda que os donos do City não injetaram dinheiro no clube que não tenha sido declarado, como aponta a investigação da Uefa, a partir de patrocínios que seriam maquiados.

"Somos um clube sustentável, com lucros, sem dívida. Nossas contas foram examinadas muitas vezes, por auditores, reguladores, investimentos, e isso é muito claro", afirmou.