EFETóquio

O técnico da seleção olímpica masculina, André Jardine, afirmou nesta terça-feira, após a vitória sobre o México nas semifinais, que realizará um sonho ao comandar a equipe na final dos Jogos Olímpicos de Tóquio, na qual o Brasil enfrentará a Espanha.

Segundo o treinador, a partida contra o México, vencida por 4 a 1 na disputa de pênaltis, depois de empate sem gols com a bola rolando, foi como "um filme da vida" por todas as sensações provocadas.

"Embora não tenhamos vencido nos 90 minutos, assumimos mais riscos do que o rival", analisou o técnico em entrevista coletiva, ao ressaltar que a seleção brasileira respeitou "muito a equipe mexicana, uma rival tradicional".

Sobre a rival na disputa pela medalha de ouro, Jardine disse que "a Espanha está com força máxima e formou uma equipe potente ao longo do torneio, sendo uma adversária forte".

"Durante a conversa antes da partida, elogiei os jogadores pela dedicação e pelo esforço. Ninguém mostrou vaidade, sempre respeitaram as minhas decisões. Eu sabia que fariam uma grande partida contra o México, e fizeram", analisou.

O volante Bruno Guimarães, que converteu uma das cobranças de pênalti, enalteceu o goleiro Santos - com quem jogou no Athletico-PR -, que defendeu a penalidade de Eduardo Aguirre.

É um fenômeno, uma pessoa única, um ser humano sensacional, uma pessoa de grande qualidade, um goleiro incrível. Para mim, é uma superestrela na posição. Estou muito feliz por ele, é como um irmão. Ganhamos muitos títulos juntos no Athletico e sei pelo que ele passou. Ele trabalhou muito e merece isto tudo", declarou.

O jogador do Lyon disse que o duelo contra o México foi "uma partida muito difícil" na qual houve "mais alma e vontade do que talento".

"Estou muito feliz por estarmos em outra final, esperamos ganhar outro ouro olímpico", comentou o volante.

Em busca do bicampeonato olímpico, o Brasil enfrentará a Espanha na final do futebol masculino no próximo sábado, em Yokohama, às 8h30 (horário de Brasília).