EFETóquio

O comitê organizador dos Jogos Olímpicos de Tóquio-2020 anunciou nesta segunda-feira que manterá o percurso inicialmente planejado para o revezamento da tocha olímpica, que terá início em março de 2021, um ano após o plano original.

A chama olímpica partirá de Fukushima, no dia 25 de março de 2021, e viajará pelas outras 46 províncias do Japão durante 121 dias até que a pira olímpica seja acesa no Estádio Olímpico de Tóquio em 23 de julho.

É um percurso idêntico ao que estava previsto para este ano, antes da decisão de adiar o evento até 2021 devido à pandemia da Covid-19, segundo comunicado dos organizadores.

A tocha olímpica chegou ao Japão em meados de março vindo da Grécia, embora dias depois, o COI e os organizadores japoneses tenham decidido pelo adiamento dos Jogos.

Desde então, a chama olímpica permanece no Japão, tendo sido exposta em vários locais, sendo o último deles no Museu Olímpico de Tóquio, em frente ao novo coliseu que servirá como sede principal do evento.

Cerca de 10 mil corredores foram originalmente programados para participar do revezamento da tocha e, embora o número de substitutos para 2021 ainda não tenha sido decidido, os organizadores planejam priorizar aqueles que inicialmente se inscreveram.

O comitê organizador também destacou que o percurso da tocha e as celebrações previstas ao passar por cada localidade "poderão ser revistas em função da situação da Covid-19".

Os anfitriões acrescentaram que estão desenvolvendo um conjunto de medidas de segurança sanitária para prevenir possíveis infecções durante o revezamento da tocha, que serão apresentadas em breve, como parte da estratégia geral "para garantir sumos seguros para os atletas e para o público".