EFEBelo Horizonte

Derrotada pela Colômbia na estreia, a Argentina até contou com um gol de pênalti de Lionel Messi, mas passou mais uma rodada do grupo B da Copa América sem vencer, ao empatar com o Paraguai em 1 a 1 nesta quarta-feira no Mineirão, em Belo Horizonte.

Bastante modificada em relação à escalação usada na estreia contra a Colômbia, a bicampeã mundial saiu atrás no placar devido a gol de Sánchez no primeiro tempo. Depois do intervalo, Messi ficou frente a frente com o goleiro Gatito Fernández, do Botafogo, e deixou tudo igual em cobrança de pênalti.

Messi e companhia ainda escaparam de uma segunda derrota, já que a 'Albirroja' teve a chance de fazer 2 a 1 também em penalidade, mas o atacante Derlis González, do Santos, que havia sofrido a infração, parou na defesa de Franco Armani.

Quem mais comemora o resultado do confronto em Belo Horizonte é a Colômbia, que mais cedo bateu o Catar por 1 a 0 no Morumbi, em São Paulo, e foi a seis pontos, o que lhe garante a liderança da chave. O Paraguai é segundo colocado, com dois, enquanto o campeão asiático e a Argentina têm um ponto cada.

Na última rodada, marcada para o próximo domingo, os 'Cafeteros' cumprirão tabela enfrentando os paraguaios na Fonte Nova, em Salvador, enquanto argentinos e catarianos farão duelo de vida ou morte na Arena do Grêmio, em Porto Alegre.

Nada satisfeito com a derrota por 2 a 0 para a Colômbia na estreia, o técnico Lionel Scaloni fez quatro trocas no time titular da Argentina. Os experientes Di María e Agüero perderam as posições para De Paul e Martínez. Além disso, Casco foi improvisado como lateral-direito, e Pereyra entrou no meio.

No Paraguai, a principal novidade foi o retorno do zagueiro e capitão Gómez. O jogador do Palmeiras havia cumprido suspensão na estreia por uma expulsão durante as Eliminatórias para a Copa do Mundo de 2018 e hoje ganhou a vaga de Balbuena, ex-Corinthians. Também começaram jogando o goleiro Gatito Fernández, do Botafogo, o lateral-direito Piris, ex-São Paulo, e o atacante Derlis González, do Santos.

Com as mudanças, a Argentina ganhou em vontade, mas não em eficiência. Apesar do domínio territorial e na posse de bola, as chances não foram abundantes no começo. Aos cinco minutos do primeiro tempo, Arzamendia cochilou dentro da área, Messi recolheu na direita e tocou para o meio, mas a defesa cortou.

A 'Albiceleste' errava muitos passes, o que atrapalhava a criação, e Gatito pouco trabalhava. Já a 'Albirroja' queria um contra-ataque, e a oportunidade apareceu aos 28, com González. O jogador do Santos disparou pela direita, entrou na área e bateu, mas a bola saiu após desvio em Tagliafico.

Muito marcado, Messi teve uma chance mais clara apenas na bola parada. Aos 32, Gómez cometeu falta em Martínez, e o camisa 10 fez a cobrança, mas chutou fraco, e o goleiro paraguaio pegou.

Na segunda saída rápida para o contragolpe, o campeão continental de 1953 e 1979 castigou a equipe de Scaloni. Aos 36, Almirón foi ao fundo em velocidade pela esquerda e cruzou rasteiro para trás, Sánchez chegou batendo no cantinho esquerdo e fez 1 a 0.

A Argentina voltou do vestiário com Agüero no lugar de Pereyra, o que deixou Messi um pouco mais recuado. Aos cinco minutos, o centroavante do Manchester City foi lançado na área, matou no peito e rolou para Martínez, que acertou no travessão. Messi pegou o rebote e soltou uma bomba para linda defesa de Gatito.

Antes de o escanteio ser cobrado, o árbitro brasileiro Wilton Sampaio reviu o lance no monitor à beira do gramado, flagrou toque de mão de Piris no chute de Martínez e marcou pênalti. Messi cobrou no canto esquerdo, e Gatito acertou o lado, mas não evitou o empate aos 11.

Seis minutos depois, o Paraguai encheu um balde de água fria para jogar nas costas de Messi e companhia, mas Armani impediu. González recebeu na grande área e foi derrubado por Otamendi com falta. O próprio camisa 10 paraguaio bateu, e o arqueiro do River Plate pegou no canto esquerdo.

O nível do jogo então caiu devido ao nervosismo das equipes. A Argentina "acampou" no campo de ataque, mas errava muitos passes. Em uma das poucas tabelas entre Messi e Agüero, aos 25 minutos e aos 28, a defesa cortou.

Em uma parte final de partida de alguma emoção, mas quase nenhuma chance clara, quem mais esteve perto de balançar a rede foi o Paraguai. Aos 38, Matías Rojas cobrou falta, Armani bateu roupa e teve operar um milagre em cabeceio de Romero, mas foi marcado impedimento no segundo lance.

Como houve muitas interrupções, o árbitro brasileiro deu sete minutos de acréscimo, durante os quais só deu Argenrina, mas nada deu certo para a bicampeã mundial. Num último suspiro, aos 48, Di María costurou pela direita, mas Tagliafico foi travado.

Ficha técnica:.

Argentina: Armani; Casco, Pezzella, Otamendi e Tagliafico; Paredes, De Paul (Suárez), Lo Celso e Pereyra (Agüero); Messi e Martínez (Di María). Técnico Lionel Scaloni.

Paraguai: Gatito Fernández; Piris, Gómez, Alonso e Arzamendia; Sánchez, Rodrigo Rojas, Matías Rojas e Almirón (Ortiz); González (Escobar) e Santander (Romero). Técnico: Eduardo Berizzo.

Árbitro: Wilton Sampaio, auxiliado por Marcelo Van Gasse e Rodrigo Correa.

Cartões amarelos: Armani, Tagliafico e Otamendi (Argentina); Gómez, Rodrigo Rojas e Piris (Paraguai).

Gols: Messi (Argentina); Sánchez (Paraguai).

Estádio: Mineirão, em Belo Horizonte.