EFEBuenos Aires

O capitão da seleção da Argentina, Lionel Messi, falou pela primeira vez sobre a consagração da 'Albiceleste' como campeã da Copa América e se disse orgulhoso do feito, mas ressaltou que é importante que a equipe mantenha os pés no chão.

"Nem éramos os piores antes, nem somos os melhores agora. Saber que não somos os melhores do mundo é um ponto de inflexão para nós. Agora o que queremos fazer é usar este impulso para continuar crescendo como uma equipe", comentou o seis vezes melhor do mundo em entrevista à "ESPN" argentina pelo telefone.

Messi tinha várias conquistas pela Argentina nas categorias de base e um ouro olímpico em Pequim 2008, com a equipe sub-23, mas a primeira conquista com a seleção principal veio em julho, no Brasil, com direito a uma vitória no Maracanã sobre a seleção anfitriã na final.

"Quando ganhamos, eu mal podia acreditar. Eu sonhava tanto que nem mesmo entendia o que estava acontecendo. Honestamente, gosto mais agora quando vejo a imagem do que naquele momento em que eu estava ausente e paralisado", relatou o craque, que admitiu ter tido uma das férias mais tranquilas da carreira.

"Finalmente tive umas férias felizes do primeiro ao último dia. Sempre tive que jogar sem atingir o objetivo, e os primeiros 15 dias foram amargos, sem vontade de fazer nada", contou.

Na visão do camisa 10, um dos principais responsáveis pelo título da Copa América é o técnico Lionel Scaloni, que assumiu o cargo para substituir Jorge Sampaoli após a Copa do Mundo de 2018.

"Ele (Scaloni) tem muito crédito por tudo isso. Foi ele quem levou a equipe nacional em um momento complicado, quem acreditou nela e quem, pouco a pouco, a montou. Ele sempre soube o que queria", enalteceu.

"Ele confiava nos jogadores, nas novas pessoas, nos jovens, ele sempre soube o que queria. Pouco a pouco fomos crescendo. Desde a Copa América em 2019 houve um salto, começamos a crescer como equipe nacional, todo o trabalho dele e da equipe técnica, dando aos rapazes a confiança para fazer o que eles fizeram", acrescentou.

O foco agora são as Eliminatórias para a Copa do Mundo de 2022, em que a bicampeã mundial é segunda colocada, com 15 pontos, atrás apenas do Brasil, que soma 21. Nesta quinta, a 'Albiceleste' jogará contra a vice-lanterna Bolívia no estádio Monumental de Núñez, em Buenos Aires, no primeiro jogo com público em solo argentino desde março de 2020.

"Esta equipe está pensando em ganhar os três pontos para continuar ganhando. Queremos aproveitar a taça que ganhamos e tudo o que pudermos. Para poder comemorar um título, estivemos perto muitas vezes, mas não tivemos a sorte de conquistar. Aconteceu e temos que aproveitar, mas sem esquecer que há um jogo e que vale três pontos, que são muito importantes", finalizou. EFE

fca/dr