EFEViena

O queniano Eliud Kipchoge, atual recordista mundial da maratona, tornou-se neste sábado em Viena, na Áustria, o primeiro homem a correr a prova abaixo da marca de duas horas, ao registrar o tempo de 1h59min40.

O feito, no entanto, não rendeu a Kipchoge um novo recorde. Na prova, chamada INEOS 1:59 Challenge e feita sob medida para ele, 41 corredores se revezaram em equipes para incentivá-lo, e um carro seguia à frente do queniano para ajudar a quebrar o efeito do vento, o que não é permitido pela federação internacional de atletismo (Iaaf) para homologar marcas.

O maratonista mais rápido da história correu hoje os 42.195 metros da prova a uma velocidade média de 17 segundos a cada 100 metros, ou 2 minutos e 50 segundos por quilômetro.

Após a ajuda dos 41 "coelhos", Kipchoge correu os últimos metros sozinho, em destaque diante do público que o apoiava, e cruzou a meta sorrindo, após fazer história.

Recordista mundial da maratona com o tempo de 2h01min39, estabelecido em 16 de setembro de 2018, em Berlim, Kipchoge começou a prova deste sábado às 8h15 (horário local, 3h15 de Brasília) com condições meteorológicas um pouco piores do que as inicialmente esperadas, com nevoeiro e 90% de umidade do ar, o que aumentava o desgaste.

Os corredores que puxavam o ritmo do queniano formavam uma seleção de atletas de primeiríssima linha, como os três irmãos noruegueses Ingebrigtsen - Henrik, Filip e Jakob - o etíope Selemon Barega, recente vice-campeão mundial dos 5.000 metros, e os americanos Bernard Lagat e Paul Chelimo.

Kipchoge também contou com um posto móvel para reidratação a qualquer hora e um circuito de 9,6 quilômetros completamente plano e adaptado, inclusive com partes recém-asfaltadas.

Após a prova, o maratonista disse que o feito de hoje, apesar de não ser oficial, foi mais importante do que o recorde mundial que ele conseguiu no ano passado e o eternizou na história do esporte.

"Eu corro para provar que não existe limite para a raça humana. Estou muito feliz por ter entrado para a história, e espero que, depois de hoje, mais pessoas consigam completar uma maratona em menos de duas horas", declarou.