EFEMadri

Interrompida em 11 de março devido à pandemia do novo coronavírus, a Liga dos Campeões 2019-2020 será retomada, na próxima sexta-feira, quase cinco meses depois, com dois grandes clubes europeus, atuais campeões nacionais, contra as cordas nas oitavas de final.

O Real Madrid, que conquistou o título do Campeonato Espanhol, terá a missão de reverter a vantagem do Manchester City, vice-campeão inglês, que venceu o jogo de ida, no estádio Santiago Bernabéu, por 2 a 1. As duas equipes se enfrentarão na Inglaterra, no Etihad Stadium. Já a Juventus, eneacampeã italiana, foi derrotada pelo Lyon por 1 a 0 na França e precisará reverter a eliminatória em casa, no Allianz Stadium.

Os dois últimos integrantes das quartas serão definidos no sábado. O Bayern de Munique, octocampeão alemão, está com a mão na vaga, já que venceu o Chelsea por 3 a 0 na ida, em Londres, e tem grande folga para administrar na Allianz Arena. Já Napoli e Barcelona empataram em 1 a 1 no San Paolo, em Nápoles, e se enfrentarão no Camp Nou.

Os outros quatro classificados já estão definidos. A Atalanta, estreante no torneio continental, terá pela frente o Paris Saint-Germain, enquanto o Atlético de Madrid, que eliminou o atual campeão Liverpool, jogará contra o RB Leipzig.

A partir das quartas de final, todas as eliminatórias serão disputadas em partida única em Portugal, com portões fechados, em uma tentativa da Uefa de evitar a propagação do novo coronavírus e diminuir o risco de contágio.

O Real Madrid vivia momento de baixa quando enfrentou o City no Bernabéu, após ter perdido a liderança do Campeonato Espanhol para o Barcelona, e o técnico Zinedine Zidane levou o chamado "nó tático" de Josep Guardiola.

Dessa forma, o dono de 13 títulos da Champions precisará buscar uma classificação no torneio após ter perdido o primeiro jogo como mandante, algo que nunca fez até agora. Pode ser a primeira eliminação de 'Zizou' como técnico, já que ele faturou o título nas três edições anteriores de que participou - 2015-2016, 2016-2017 e 2017-2018.

Os dois times terão desfalques importantes, o que abrirá espaço para que mais brasileiros estejam em campo. Os 'Citizens' não terão à disposição o atacante Sergio Agüero, cujo substituto é Gabriel Jesus, que atuará ao lado do goleiro Ederson e do volante Fernandinho.

No Real, o zagueiro Sergio Ramos, capitão da equipe, cumprirá suspensão e dará lugar a Éder Militão. Zidane conta ainda com o volante Casemiro, titular absoluto, e os atacante Vinícius Júnior e Rodrygo, que brigam por posição. Já o lateral-esquerdo Marcelo está machucado.

Em Turim, a Juve tem uma série de problemas para encarar o Lyon, do volante Bruno Fernandes. O lateral De Sciglio, o volante Khedira e o meia-atacante Douglas Costa são desfalques certos, todos por contusão. Já o atacante Dybala, eleito o melhor jogador do Italiano, ainda é dúvida.

Enquanto quase todos os outros concorrentes já entram em campo pelas ligas nacionais após a pausa, o Lyon só jogou uma vez e foi derrotado pelo PSG nos pênaltis, no último sábado, na final da Copa da Liga Francesa. Por outro lado, o treinador Rudi García tem apenas uma baixa, o lateral-esquerdo Youssouf Koné.

Para o Barcelona, também não vai ser fácil. Embora tenham obtido um bom resultado em Nápoles, a equipe de Quique Setién terminou a temporada com dúvidas e sem título.

Além disso, o volante Busquets e o meia Vidal estão suspensos, enquanto o zagueiro Lenglet e o atacante Griezmann ainda são dúvida. O também meia Arthur, que poderia ganhar uma vaga, está negociado com a Juventus e não se reapresentou depois da quarentena.

No Napoli, o principal problema é o atacante Insigne, capitão dos 'Azzurri', que se machucou durante a última rodada do Italiano, e Gennaro Gattuso só definirá horas antes se ele estará em campo.

A eliminatória mais clara, a priori, é a que será definida em Munique. Com dois gols de Gnabry e um de Lewandowski, o Bayern está bem à frente do Chelsea na reedição da final de 2012. Aliás, será o primeiro jogo dos 'Blues' na Allianz Arena desde a glória inédita de 2012, quando tinha Frank Lampard, hoje técnico do time, comandando o meio-campo.