EFEBerlim

O meia-atacante francês Franck Ribery afirmou, em entrevista publicada nesta quarta-feira, que não se arrepende de ter escolhido, em 2009, seguir defendendo o Bayern de Munique, apesar do assédio de outros grandes clubes clubes do futebol europeu.

"Foi uma das melhores decisões da minha vida. O que aconteceu depois foi melhor do que tudo o que eu poderia esperar. Tenho que agradecer mais uma vez a Uli Hoeness (presidente do Bayern) e ao meu agente Alain Migliaccio", garantiu o jogador à revista "Sport Bild".

"Era uma loucura. Sete time de elite queriam a mim. Juventus, Inter de Milão, Milan, Chelsea, Real Madrid, Barcelona e Manchester United. Passaram muitas coisas pela minha cabeça. Não foi fácil", completou o veterano jogador, de 36 anos.

No fim desta temporada, Ribery, que foi contratado junto ao Olympique de Marselha, em 2007, deixará o Bayern de Munique, que optou pela renovação de contrato.

O francês falou, inclusive, do gol que marcou na vitória sobre o Hannover 96 por 3 a 1, no dia 4 deste mês, pela antepenúltima rodada do Campeonato Alemão.

"Me dei conta que, em breve, tudo acabaria, que a torcida em Munique não comemoraria mais comigo no estádio. Eu queria comemorar, mais me doía", afirmou.

Pelo clube alemão, o meia-atacante pode chegar neste fim de semana ao nono título da competição nacional, se tornando recordista da liga, deixando para trás o goleito Oliver Kahn, o meia Bastian Schweinsteiger e o lateral-direito Philipp Lahm.

Além disso, Ribery foi campeão da Copa da Alemanha em cinco oportunidades, venceu uma Liga dos Campeões, em 2013, e participou da conquista do título mundial, no mesmo ano. EFE

rz/bg