EFELondres

O ex-atacante Wayne Rooney afirmou nesta quinta-feira que seguirá no comando do Derby County, apesar da crise financeira do clube, que entrou em intervenção judicial e, por isso, perdeu 12 pontos na segunda divisão Campeonato Inglês.

Como os 'Rams' tinham conquistado dez pontos no campo, passaram a ter dois negativos, despencando assim da 12ª para a 24ª e última colocação na tabela da competição.

"Lutarei pelo clube. Não os deixarei abandonados. Precisam de pessoas que ajudem", afirmou o antigo jogador da seleção inglesa e do Manchester United.

Rooney admitiu que, ao assumir o comando do Derby County, no ano passado, quando ainda atuava pelo clube, não sabia das dificuldades financeiras existentes.

O técnico ainda revelou que soube da intervenção judicial através do noticiário e que não conversa com o proprietário dos 'Rams', o empresário inglês Mel Morris, desde o dia 9 de agosto.

"Nem um telefonema, nem uma mensagem. Ele não tem que se desculpar, mas para mim, como técnico, que os jogadores e as pessoas do clube me perguntem, e eu não possa respondê-los, dói", disse o ex-atacante.

"Há uma maneira de enfrentar as coisas, que é sendo sincero e aberto. Não foi assim, e estou um pouco decepcionado", completou o inglês.

Apesar do descontentamento, Rooney garantiu seguir comprometido com o Derby County e mencionou a trajetória de vida para garantir que sabe lidar com adversidades, mas também que entende a situação daqueles que estão sem receber salários.

"Cresci em um bairro pobre de Liverpool e sei como a vida pode ser dura. Me preocupam os jogadores e os funcionários. Que tipo de pessoa seria se agora vou embora? Se saio de férias ou algo assim", indagou o ex-atacante.