EFERio de Janeiro

Apesar da derrota para o Uruguai por 1 a 0 desta segunda-feira no Maracanã, que deixou o Chile na segunda posição do grupo C da Copa América, o técnico colombiano Reinaldo Rueda disse que tem algumas coisas boas para tirar da partida no Rio de Janeiro já pensando no mata-mata do torneio continental.

"Foi um jogo muito equilibrado. Sabíamos que teríamos pela frente um adversário muito forte, com muito conjunto por jogar junto e da mesma maneira há muitos anos, com um sistema de jogo muito aplicado e que traz dificuldade. Mas o Chile também fez um grande jogo, demonstrou personalidade e ordem", analisou Rueda em entrevista coletiva após a derrota.

Contra a 'Celeste', o ex-treinador do Flamengo poupou alguns jogadores importantes, com destaque para o zagueiro Isla e o meia Vidal, e ainda alterou a formação da seleção chilena do 4-4-2 para o 3-5-2.

"Foi bom ver que os jogadores sabem se adaptar a diversos sistemas. Pelas características do adversário, com uma fortaleza pelo alto, e pelos pendurados, era prudente fazer algumas trocas. Vi algumas situações no treino de ontem, e era importante preservar Beausejour, Isla e Vidal", justificou.

Nas quartas de final, o Chile enfrentará a Colômbia, líder do grupo B e única seleção a ter somado nove pontos na primeira fase. Na visão de Rueda, é um confronto sem favoritos.

"Vamos ter pela frente uma seleção muito madura, que fez rotações ontem e mesmo assim foi muito bem. A Colômbia fez uma boa Copa no ano passado, tem jogadores consolidados, disputando campeonatos importantes. Isso vai exigir que façamos um grande jogo, como fizemos hoje", disse o técnico, que descarou ter qualquer vantagem por enfrentar a seleção de seu país.

"No futebol, não há mais segredo nem mistério. Com a informática e programas de avaliações, não há muito a ser escondido. A questão é que serão equipes muito competitivas se enfrentando, mas em momentos distintos. A Colômbia vive grande momento, enquanto o Chile não se classificou para a última Copa. Mas há um desafio interno para cada chileno que é mostrar que continua tendo status de vencedoras. Não há vantagem para lado algum", considera.