EFESão Paulo

Depois do Corinthians em 2011 e da Chapecoense no ano passado, o São Paulo se tornou o terceiro brasileiro a ser eliminado ainda na fase preliminar da Taça Libertadores ao empatar com o Talleres em 0 a 0 no Morumbi nesta quarta-feira, uma semana depois de ter perdido por 2 a 0 na Argentina.

Mais solto que nos últimos jogos, ao menos na primeira parte do duelo, o Tricolor mais uma vez demonstrou pouco poder de criação e quase não deu trabalho ao goleiro Guido Herrera. As principais chances do tricampeão continental estiveram na cabeça de Diego Souza, mas nas duas vezes o meia arrematou para fora.

Everton ainda deixou o adeus mais constrangedor nos minutos finais ao ser expulso por ter acertado um chute no rosto do lateral Enzo Díaz, que sangrou muito.

Fora do torneio continental, o São Paulo tentará recolher os cacos no clássico contra o Corinthians, no próximo domingo, pelo Campeonato Paulista, enquanto espera o começo do Campeonato Brasileiro e a estreia na Copa do Brasil, que acontecerá apenas nas oitavas de final.

O Timão, aliás, foi o primeiro time do país a cair na chamada "pré-Libertadores", em 2011, quando havia apenas uma fase preliminar. Ronaldo, Roberto Carlos e todo o elenco comandado por Tite caiu diante do Tolima, da Colômbia. Em 2018, na segunda fase, a primeira para brasileiros, a Chape foi derrubada pelo Nacional-URU.

'La T', como a equipe argentina também é conhecida, volta está de volta à Libertadores após 17 anos e precisará passar pelo Palestino para entrar no grupo A, que já tem o atual campeão River Plate, o Internacional e o Alianza Lima.

O Tricolor fez três alterações em relação ao jogo em Córdoba. Expulso na Argentina, Hudson cumpriu suspensão e deu lugar a Willian Farias. Além disso, Jucilei e Nenê perderam suas vagas para Diego Souza e Helinho. Já os visitantes seguiram a máxima "em time que está ganhando, não se mexe" e repetiu os 11 titulares da ida.

O time dirigido por André Jardine começou a partida se movimentando mais, mas continuou com dificuldade na criação. Em uma das poucas bolas que chegaram redondas para Pablo, aos sete minutos do primeiro tempo, o centroavante demorou a definir e foi desarmado por Díaz.

Claramente disposto a priorizar a marcação e as ações defensivas em um momento inicial, o Tallares foi se soltando aos poucos. Aos 19 minutos, Godoy teve espaço na ponta direita, cruzou rasteiro e foi interceptado por Arboleda no carrinho. Em seguida, aos 23, também pela esquerda de defesa do tricolor, Palacios limpou dois e caiu na área, mas o equatoriano Roddy Zambrano considerou que não houve infração.

Aos 31, o tricampeão da América teve tudo para abrir o placar e colocar fogo na eliminatória, mas perdeu uma chance clara. Helinho levantou na medida da direita, e Diego Souza ficou cara a cara, mas cabeceou para fora. Na resposta de 'La T', aos 35, Pochettino pegou sobra na intermediária, arriscou e quase marcou por cobertura. Tiago Volpi, adiantado, apenas torceu e viu a bola ir por cima do travessão.

Houve outra polêmica envolvendo a arbitragem aos 42. Cubas tentou encontrar espaço na área, a bola bateu na barriga e no braço de Bruno Alves, e os visitantes pediram pênalti, mas o árbitro novamente deixou seguir.

O Tricolor incomodou novamente aos 44, em chute de Hernanes que passou rente à trave, e sufocou o adversário nos instantes iniciais do segundo tempo. Logo aos dois minutos, Pablo ajeitou de cabeça e Diego Souza deixou para Helinho, que concluiu no meio do gol e facilitou o trabalho do goleiro Herrera. Mais tarde, aos sete, Pablo procurou por Diego Souza, mas o passe foi interceptado e ficou com o arqueiro rival.

Jardine quis sacudir o time e mandou Araruna e Nenê a campo nos lugares de Bruno Peres e Helinho, respectivamente, e o Tricolor levou perigo novamente aos 20. Reinaldo cruzou e Diego Souza teve outra oportunidade de cabeça, mas mais uma vez concluiu pela linha de fundo.

A situação dos donos da casa já era bem difícil, e a classificação ficou ainda mais distante aos 34, quando Everton entrou de sola em Díaz, acertou o rosto do argentino e recebeu cartão vermelho.

Com um a menos, o São Paulo ainda deu uma última cartada aos 38 e até balançou a rede, mas a jogada foi anulada. Diego Souza cruzou e, em posição de impedimento, Nenê empurrou para a rede. Nos acréscimos, aos 46 minutos, o Talleres ainda esteve perto de vencer a partida, em uma bomba de Pochettino, mas Volpi pegou.

São Paulo: Tiago Volpi; Bruno Peres (Araruna), Arboleda, Bruno Alves e Reinaldo; Willian Farias (Antony), Hernanes e Diego Souza; Helinho (Nenê), Everton e Pablo. Técnico: André Jardine.

Talleres: Herrera; Godoy, Tenaglia, Komar e Díaz; Cubas, Guiñazú, Pochettino (Gandolfi) e Ramírez; Moreno (Valoyes) e Palacios (Arias). Técnico: Juan Vojvoda.

Árbitro: Roddy Zambrano (Equador) auxiliado pelos compatriotas Christian Lescano e Byron Romero.

Cartões amarelos: Bruno Peres, Everton e Hernanes (São Paulo); Herrera e Díaz (Talleres).

Cartão vermelho: Everton (São Paulo).

Estádio do Morumbi, em São Paulo.