EFERio de Janeiro

O técnico da seleção brasileira feminina, Oswaldo Alvarez, o Vadão, garantiu nesta quinta-feira que as convocadas para a disputa da Copa do Mundo podem erguer o troféu, principalmente, por causa do talento de jogadoras como Marta, Cristiane, entre outras.

"Nossa expectativa é altamente positiva, temos atletas de qualidade ímpar. Hoje se fala muito de plano tático, que é imprescindível. Temos atletas que podem resolver problemas com jogadas individuais, coisa que pouca gente tem. Nós temos esse privilégio. Estamos otimistas de fazer uma grande campanha e buscar esse almejado título mundial", disse o comandante.

Vadão, que anunciou no Rio de Janeiro as 23 integrantes do elenco, em ato que lembrou as convocações da seleção masculina, algo inédito para as mulheres, apontou que houve aumento no número de favoritas a conquistar a Copa e minimizou as nove derrotas recentes do Brasil em amistosos.

"Os amistosos estão no passado, o presente é o que vale. Nosso otimismo não é pelos últimos resultados, mas pelo que temos na cabeça e pelo que conversamos com as jogadoras após a última derrota", afirmou o treinador, se referindo ao revés diante da Escócia, no início de abril.

A última vitória das brasileiras aconteceu em julho do ano passado, sobre o Japão, pela Copa das Nações. Depois disso, foram 18 gols sofridos e apenas cinco marcados, com derrotas também para Estados Unidos (duas vezes), Canadá, Inglaterra, França, Espanha e em outro duelo com as japonesas.

"Todas essas derrotas foram na casa de seleções que estão entre as dez melhores do mundo e sem algumas das nossas melhores jogadoras. Não é desculpa, mas é algo que se deve levar em conta", avaliou.

Vadão, na entrevista coletiva, comemorou o período de 15 dias antes do torneio, em que terá o elenco à disposição. Os trabalhos começarão no dia 22 de maio, com a apresentação em Portugal, onde a seleção ficará por duas semanas, antes da ida para a França.

"Pode parecer pouco tempo para uma preparação, mas para nós é muito. Nunca tivemos tanto tempo com todas as titulares juntas. Em Portugal, poderemos trabalhar muitas coisas que vêm fazendo falta", explicou o técnico.

Ao ser questionado sobre as adversárias na Copa do Mundo, Vadão deu declaração que gerou muitas dúvidas sobre um possível desconhecimento da Jamaica, adversária da estreia no torneio, no dia 9 de junho, em Grenoble, por ligá-la à África.

"É a grande surpresa. Nunca havia participado de um Mundial, mas vimos vários dos seus últimos jogos e descobrimos que é uma equipe que tem características das seleções africanas. São muito fortes e velozes e têm grande estatura. Jogam em função de uma centroavante muito alta, que é a referência", disse. EFE

cm/bg

(foto) (vídeo)