EFECairo

Os ministros do novo Governo egípcio juraram nesta quinta-feira seus cargos perante o presidente Abdul Fatah al Sisi, que designou como novos titulares de Defesa e de Interior Mohammed Ahmed Zaki e Mahmoud Taufiq Abdelgauad, respectivamente, informou a agência de notícias estatal "Mena".

O novo Executivo liderado por Mustafa Madbuli tomou posse depois que Al Sisi deu início a seu segundo mandato à frente da presidência egípcia, em 2 de junho.

O ministro de Defesa Zaki substitui Sedki Sobhi, um uniformizado muito próximo de Al Sisi que assumiu o comando das Forças Armadas em março de 2014 quando este pendurou o uniforme para empreender a corrida presidencial.

O marechal Zaki era até agora o comandante da Guarda Republicana, que se encarrega da proteção do chefe do Estado e da qual esteve à frente desde agosto de 2012, sob o mandato do presidente islamita Mohammed Mursi.

Por sua vez, o general Magdi Abdelgafar, tinha permanecido no cargo de Interior nos passados quatro anos, apesar de neste tempo terem ocorrido vários atentados contra civis e contra as próprias forças de segurança que apontavam para erros por parte destas.

O seu substituto, Abdelgauad, foi vice-diretor e diretor da Segurança do Estado, órgão policial que se equipara aos serviços de inteligência interna do país, mas que desenvolve funções mais amplas e é acusado por ONGs nacionais e internacionais de praticar torturas e desaparições forçadas.

Outros novos rostos no gabinete são o ministro de Justiça, Mohammed Husam Abdelrahim, e o de Finanças, Mohammed Moayad.

Entre os ministros que se mantêm no cargo está Khaled al Anani, à frente da pasta de Antiguidades, e Mohammed Shaker no Ministério de Eletricidade.

Al Sisi encarregou há uma semana a formação de um novo gabinete a Madbuli, depois que o primeiro-ministro Sherif Ismail apresentou a sua renúncia ao líder pouco dias depois da posse, seguindo o procedimento habitual nestes casos.