EFEBuenos Aires

A Argentina registrou mais 888 casos de infecção pelo novo coronavírus e 12 mortes por covid-19, de acordo com balanço divulgado neste domingo pelo Ministério da Saúde do país.

Dessa forma, o total de positivos desde o início da pandemia saltou para 5.326.448, enquanto a quantidade de vítimas chegou a 116.529.

O número de infecções contabilizadas nas últimas 24 horas é menor do que o apresentado no boletim deste sábado, em que constavam 1.521.

O recorde de positivos registrados no país em um mesmo dia é do dia 27 de maio, com 41.080, A maior quantidade de mortes é de 22 de junho, com 792 em um intervalo de 24 horas.

Ainda segundo o Ministério da Saúde, estão internadas em UTIs de hospitais argentinos 600 pessoas, número muito abaixo do mais alto atingido ao longo da pandemia, que foi de 7.969, em 14 de junho.

A taxa de ocupação dos leitos de UTI por pacientes com todos os tipos de doenças é de 36,9% em todo o território nacional. Apenas na região metropolitana de Buenos Aires, o indicador é de 38,9%.

Devido à detecção da variante ômicron, o governo do país sul-americano determinou que todas as pessoas que estiveram na África nos últimos 14 dias devem iniciar regime de isolamento e fazer um teste PCR.

Além disso, foi decidido pela suspensão do tráfego aéreo e marítimo direto com o continente africano.

O boletim de hoje apontou que foram aplicadas na Argentina, até o momento, 67,63 milhões de doses de vacinas contra a covid-19, desde o início da campanha de imunização, em dezembro do ano passado.

Os dados oficiais apontam que 36,49 receberam a primeira dose, enquanto 29,37 já contam com a aplicação da segunda. Já 1,36 milhão de pessoas receberam a terceira, e 403.147 a dose de reforço. EFE

vd/bg