EFECabul

Pelo menos dez pessoas foram mortas e outras 40 ficaram feridas em um ataque com carro-bomba no leste do Afeganistão nesta quinta-feira, pouco antes do início de um cessar-fogo de três dias entre o governo e o Talibã sobre o início do Eid-ul-Adha, o festival muçulmano do sacrifício.

Em um breve comunicado, o Ministério do Interior informou que ataque ocorreu por volta das 19h40 (local, 12h10 de Brasília) em Pul-e-Alam, capital da província de Logar, enquanto as forças de segurança inspecionavam veículos em uma área movimentada antes do início do festival.

O terrorista suicida detonou o veículo carregado com explosivos perto de um posto de controle da força de segurança, informou à Agência Efe o porta-voz da polícia de Logar, Shapoor Ahmadzai.

"Dez pessoas foram mortas neste ataque, sete membros das forças de segurança e três civis, e outras 40, na maioria civis, ficaram feridas", afirmou o porta-voz, alertando que o número de atingidos poderia aumentar nas próximas horas. Ele acrescentou que feridos foram transferidos para o hospital provincial, alguns deles em estado crítico.

Nenhum grupo reivindicou até agora a responsabilidade pelo ataque. O principal porta-voz do Talibã, Zabihullah Mujahid, imediatamente se dissociou do atentado.

"O Emirado Islâmico (como o Talibã se autodenomina) condena este doloroso ataque nos termos mais fortes possíveis. É o trabalho dos serviços de inteligência afegãos que não querem que a população viva em paz, com estabilidade e desfrute do Eid (festival) com alegria", denunciou.

Já o porta-voz do ministro do Interior, Tariq Arian, culpou diretamente os insurgentes. "Os Talibãs são os que prepararam o terreno para as atividades de todos os grupos terroristas no Afeganistão e não podem ser desassociados da responsabilidade por tais ataques. Eles são responsáveis por todos os ataques terroristas e assassinatos do povo afegão no país", bradou.

O atentado com carro-bomba ocorreu poucas horas antes de o Talibã e o governo afegão lançarem oficialmente um cessar-fogo de três dias, a partir da meia-noite desta sexta-feira (17h em Brasília). A trégua é vista como um passo importante para o início das conversações internas na busca de uma solução negociada para quase duas décadas de guerra civil, desde a derrubada do regime Talibã em 2001, após a invasão dos Estados Unidos.

Como passo preliminar, os EUA e o Talibã assinaram um acordo histórico em 29 de fevereiro deste ano, em Doha, que definiu a retirada das tropas aliadas americanas dentro de 14 meses.