EFEGenebra (Suíça)

A ex-presidente do Chile, Michelle Bachelet, Alta Comissária da ONU para os Direitos Humanos, afirmou nesta quarta-feira que a pandemia da Covid-19 pode ser um ponto de partida para mudanças profundas no planeta.

"Devemos nos recuperar melhor. O mundo não poderá voltar ao dia zero, antes da Covid-19 ter começado. Esse mundo estava cheio de desigualdades, de miséria para gente demais, de fome", disse a diplomata, em entrevista coletiva concedida em razão do Dia Internacional dos Direitos Humanos.

Bachelet alertou que, se não for possível uma alteração profunda na sociedade, para além do período em que haja vacinas para conter o novo coronavírus, a humanidade seguirá vulnerável.

"Haverá outras crises, outras doenças que aparecerão", admitiu a ex-presidente chilena.

Como um primeiro sinal de que os líderes mundiais precisam estar cientes da necessidade de mudança, Bachelet pediu uma distribuição equitativa de vacinas que demonstraram ser eficazes e seguras contra o novo coronavírus, e que os países mais ricos não as monopolizassem.

Durante a entrevista, a Alta Comissária da ONU para os Direitos Humanos enviou um recado direto para vários governantes e citou o Brasil, sobre a necessidade de reconhecer a importância da ciência no combate à pandemia e de dar exemplo para a população.

"Espero que os líderes brasileiros deem o exemplo ao povo. Em qualquer país do mundo em que os líderes negaram a existência da Covid-19, o efeito tem sido devastador. Isso aconteceu em muitos países, não apenas no Brasil", disse a ex-presidente do Chile.