EFEWashington

O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, considerou nesta segunda-feira que a nova variante da covid-19, denominada ômicron, "é motivo de preocupação, mas não de pânico", e disse que os especialistas não acreditam que "medidas adicionais" sejam necessárias no país.

Biden deu esta declaração durante um discurso na Casa Branca, acompanhado pelo epidemiologista-chefe do governo dos EUA, Anthony Fauci.

O presidente ressaltou que o país está em uma "situação melhor" do que no Natal do ano passado, e pediu aos cidadãos que busquem o reforço das vacinas disponíveis nos Estados Unidos.

A nova variante, identificada pela primeira vez na África do Sul, "é motivo de preocupação, mas não de pânico", disse Biden, reconhecendo que é "quase inevitável" que "em algum momento" a nova variante chegue ao país.

A partir desta segunda-feira, os EUA impuseram restrições aos viajantes da África do Sul e de sete outros países da África Austral.

"Ainda não acreditamos que medidas adicionais serão necessárias", acrescentou, e defendeu essas limitações para "ganhar tempo" e aumentar a vacinação no país.

"Se as pessoas forem vacinadas e usarem máscara", acrescentou, "não há necessidade de confinamento".

Os Estados Unidos, o país mais atingido pela pandemia com mais de 775 mil mortes, tem quase 60% de sua população totalmente vacinada, e cerca de 20% já receberam a dose de reforço. EFE