EFELondres

A primeira-ministra britânica, Theresa May, disse neste domingo que bloquear o "brexit" com uma possível rejeição ao acordo de saída da União Europeia (UE) que ela propõe seria um "catastrófico" e "imperdoável" atentado contra a democracia no Reino Unido.

Em artigo divulgado no "The Sunday Express", May pediu aos deputados da Câmara dos Comuns que aprovem o tratado na votação da próxima terça-feira, em cumprimento das "instruções" que o povo britânico deu ao respaldar o "brexit" no referendo de 2016.

"Não podemos e nem devemos decepcionar os cidadãos", afirmou May ao pedir aos deputados que se unam em apoio do texto pactuado com Bruxelas "pelo bem do país".

"Se o Parlamento não se unir para aprovar este acordo em prol do interesse nacional, nos arriscamos a deixar a UE sem acordo, com toda a incerteza para o emprego e a segurança", escreve.

May criticou o líder do Partido Trabalhista, Jeremy Corbyn, que foi acusado de "fazer política ao invés de pensar no melhor interesse para o país" por pedir eleições gerais se o pacto for rejeitado dentro de dois dias.

A líder conservadora assegurou que o acordo proposto por ela, ao qual se opõem parlamentares de todos os partidos, é o resultado de duras negociações nas quais levou em conta "todos os pontos de vista".