EFEMadri

O grupo espanhol Calvo, que trabalha com pescados em conserva, decidiu fechar temporariamente a fábrica no Brasil para proteger os funcionários e reduzir riscos devido à expansão do novo coronavírus pelo país.

Em declarações à Agência Efe, o diretor executivo da empresa, Mané Calvo, informou que a fábrica brasileira, localizada no município de Itajaí (SC), permanecerá inativa entre 15 e 20 dias.

"A situação é complicada e decidimos parar. Demos férias aos funcionários, que vão ficar confinados", explicou Calvo, ao detalhar que foram evitados contágios entre os trabalhadores até o momento.

As fábricas continuam abertas na região espanhola da Galícia e em El Salvador. O negócio no Brasil é fundamental para a empresa, já que este mercado concentra 48% do volume de vendas. Em 2019, o faturamento chegou a 595 milhões de euros em termos globais.

O dirigente enfatizou que a empresa reforçou os protocolos e medidas de segurança em todas as fábricas nas últimas semanas, com a compra de máscaras, divisórias e outros materiais.

Para o grupo, "o ano de 2020 já é um pouco diferente devido à pandemia" e com um aumento dos custos, mas as vendas subiram porque os produtos em conserva foram muito procurados pelos consumidores para encher a despensa.