EFEWashington

O primeiro-ministro do Canadá, Justin Trudeau, visitará Washington em 20 de junho para se reunir com o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, uma semana antes da realização da cúpula do Grupo dos Vinte (G20) em Osaka, no Japão, confirmou nesta sexta-feira a Casa Branca.

O encontro de Trudeau e Trump terá como eixo principal o novo Tratado de Livre-Comércio entre os Estados Unidos, México e Canadá (T-MEC), ainda pendente de ratificação nos congressos dos três países.

Embora as três nações tenham assinado em novembro de 2018 o T-MEC, a ratificação do tratado foi atrasada, entre outras razões, pela imposição por parte de Washington de sobretaxas às importações de aço e alumínio procedente de seus outros dois parceiros.

O Governo de Trump pretendia que o Congresso aprovasse o acordo comercial antes de agosto, quando o Legislativo entra em recesso, embora seja pouco provável que isto aconteça, tendo em vista os últimos embates entre o presidente do país e a presidente da Câmara dos Representantes (deputados), a democrata Nancy Pelosi.

No Canadá, as oportunidades para a ratificação do tratado comercial são cada vez mais limitadas porque a Câmara dos Comuns iniciará as férias no final da próxima semana. E em outubro estão previstas eleições gerais no país.

Ambos os governantes falarão também sobre as oportunidades para impulsionar um maior crescimento e criar empregos tanto nos EUA como no Canadá.

Além disso, a Casa Branca afirmou que a visita do primeiro-ministro do país vizinho "reafirmará a profunda associação dos Estados Unidos com o Canadá e permitirá aos dois líderes abordar oportunidades e desafios relacionados com a expansão da cooperação bilateral".

Outro tema que será abordado entre Trump e Trudeau, segundo o comunicado oficial, será a próxima cúpula do G20.

O encontro de líderes mundiais acontece em um momento tenso em nível global, com a ameaça de uma guerra comercial entre os Estados Unidos e a China se não houver uma "solução negociada" em breve.

Por outro lado, Trump e o primeiro-ministro de Japão, Shinzo Abe, mostraram divergências há poucas semanas sobre os últimos testes de armas da Coreia do Norte, país com o qual os EUA tentam fechar um pacto nuclear. EFE

asl/ff/ma