EFECidade do México

O chanceler do México, Marcelo Ebrard, informou neste domingo que se Evo Morales decidir solicitar asilo político após sua renúncia à presidência da Bolívia, ela será concedida na embaixada do país em La Paz, onde já foram atendidos 20 membros dos poderes Executivo e Legislativo bolivianos.

"O México, em conformidade com sua tradição de asilo e não intervenção, recebeu 20 personalidades do Executivo e do Legislativo da Bolívia na residência oficial em La Paz, e se assim o decidir, ofereceríamos asilo também a Evo Morales", disse Ebrard no Twitter.

Mais cedo, Ebrard disse na mesma rede social que havia "uma operação militar em curso" na Bolívia, a qual seu país rechaçava, e ressaltou: "golpe, não".

O presidente do México, Andrés Manuel López Obrador, reconheceu a atitude de Morales de renunciar e não expor os compatriotas a mais protestos violentos como os que ocorrem desde o dia seguinte às eleições presidenciais de 20 de outubro, nas quais o então presidente boliviano se reelegeu para um quarto mandato, mas sob acusação de fraude por parte dos opositores.

"Por enquanto, já que amanhã divulgaremos amplamente nossa posição, reconhecemos a atitude responsável do presidente boliviano Evo Morales, que preferiu renunciar a expor seu povo à violência", disse López Obrador também no Twitter.