EFEPequim

O Ministério da Ciência e Tecnologia da China anunciou nesta quinta-feira o estabelecimento de uma equipe de trabalho focada em pesquisar e desenvolver as redes de sexta geração (6G) apenas alguns dias após o lançamento comercial do 5G no país.

Por enquanto, de acordo com o vice-ministro da Ciência Wang Xi, a pesquisa de tecnologia 6G "ainda está na fase inicial de exploração", de modo que os principais indicadores e seus cenários de aplicação ainda não foram claramente definidos.

Além disso, o Ministério lançou um grupo de 37 especialistas de universidades, institutos de pesquisa e empresas de tecnologia para promover o desenvolvimento dessa tecnologia e também para aconselhar as autoridades sobre as decisões que devem ser tomadas a esse respeito.

Apesar de ainda estar em sua fase inicial, esse passo significa oficialmente o ponto de partida da pesquisa e desenvolvimento do 6G na China, embora no mês de setembro, Ren Zhengfei, fundador da empresa de telecomunicações Huawei - companhia com mais patentes relacionadas com o 5G em todo o mundo - revelou que já estava pesquisando a nova tecnologia.

De acordo com reportagens de veículos de imprensa chineses em novembro do ano passado, a data prevista para o início da pesquisa do 6G era em 2020 e o ano de comercialização marcado para uma década depois. No entanto, nesta última declaração o Ministério não faz mais alusão a qualquer meta em termos de tempo.

Como explicou Su Xin, chefe do grupo de trabalho de desenvolvimento 5G do Ministério da Indústria e Tecnologia da Informação, o 6G ampliaria a cobertura para altitudes ainda mais altas e ofereceria velocidades de transmissão de dados de até 1 terabyte por segundo. Ou seja, uma velocidade dez vezes mais rápida que a alcançada pelo 5G.

Desde o último dia 1º, as operadoras de telefonia da China começaram a oferecer pacotes de internet móvel com redes 5G, com preços mensais entre 128 yuans e 599 yuans e velocidades entre 500 megabytes por segundo e um gigabyte por segundo, superiores às oferecidas até agora pelas redes 4G. EFE

vec/phg