EFERedação Central

A chegada de uma massa de ar quente vinda do continente africano já afeta quase todo o oeste da Europa, pouco acostumado ao calor extremo, provocando o temor de que se repitam situações como a vivida em 2003 na França, quando 15 mil pessoas morreram em 15 dias.

Como prevenção, as autoridades francesas declararam alerta laranja em 53 departamentos onde está previsto que as temperaturas estejam na casa dos 35 graus a partir da próxima segunda-feira e superem os 40 em algumas áreas, de acordo com o serviço meteorológico Météo-France.

Em Paris, a Prefeitura instalou fontes extras, manterá parques abertos na parte da noite e distribuirá equipamentos especiais em escolas e creches, assim como garrafas de água para moradores em situação de rua.

A medida mais ousada foi a decisão do Ministério da Educação de atrasar nacionalmente a prova para os jovens tirarem o certificado de Ensino Médio. O exame, que devia acontecer entre 27 e 28 de junho, quando há previsão de que a temperatura atinja os 48 graus, passou para 1 e 2 de julho.

Na Alemanha, onde amanhã estão previstas temperaturas de até 40 graus, as autoridades determinaram limites de velocidade em duas estradas da parte leste do país, por conta do perigo de dilatação do asfalto e do aumento do risco de acidentes. Além disso, o calor e a seca aumentaram as chances de incêndios florestais, principalmente no nordeste do país. No estado de Brandemburgo, que circunda Berlim, o fogo arrasou cerca de 100 hectares de floresta e os bombeiros continuam lutando para apagar as chamas.

Na Bélgica, o calor se faz presente desde domingo e deve ir até a próxima quarta-feira em todo o território, exceto no litoral. O país está em alerta laranja, segundo o Instituto Real de Meteorologia da Bélgica. Acredita-se que as regiões perto do mar atinjam 28 e 29 graus e as zonas do interior cheguem a registrar 34 graus, menos a região de Flandres Ocidental, que está em alerta amarelo.

Para proteger os animais, as autoridades suspenderam os passeios a cavalo em Bruxelas, Antuérpia e Oostende. O Meteoalarm, portal que informa sobre o clima na Europa, informou que o aviso responde a uma situação meteorológica "perigosa", na qual estão previstos "prováveis danos e acidentes".

A Itália, país mais acostumado com o calor intenso, registra temperaturas que não eram vistas há mais de 100 anos no norte do país, segundo especialistas. Entre quarta-feira e sexta-feira está previsto que os termômetros marquem 43 graus em cidades como Alexandria e 40 em Milão.

De acordo com os serviços de emergência de Siena, na região central do país, mais de 100 pessoas pediram ajuda por causa de insuficiência cardíaca e desidratação. Já em Roma, as fontes da cidade começaram a ficar repletas de turistas.

A Defesa Civil da Itália recomendou aumento das precauções, principalmente com crianças e idosos, beber muita água e evitar refrigerantes, doces e bebidas alcoólicas.

A Grécia, por outro lado, não será afetada até o fim de semana, quando está previsto que as temperaturas pontualmente alcancem os 37 graus. À noite, os termômetros marcar entre 27 e 28 graus, por isso ainda não se fala em onda de calor, segundo o serviço de meteorologia grego.

Ainda de acordo com esse serviço, as temperaturas atuais são "normais" para a época do ano. A preocupação para os próximos dias é com as chuvas intensas no norte e no oeste do país, que podem vir acompanhadas de granizo.