EFEHavana

Cuba registrou 1.403 novos casos da covid-19 nesta quarta-feira, um dos maiores números desde o início da pandemia, em março do ano passado, de acordo com informações divulgadas pelo Ministério da Saúde Pública (Minsap).

O total de positivos no país é de 161.997 até o momento e os óbitos, de 1.118, após as 12 mortes confirmadas nas últimas 24 horas.

A maior parte das infecções do dia correspondem à transmissão local da doença (1.330) e 73 são importadas. Todos foram diagnosticados após realização de 19.971 testes, de acordo com a Minsap.

Em hospitais e centros de isolamento cubanos, são 31.386 internados: 7.625 casos ativos - 67 em estado crítico e 88 graves -, 5.946 com sintomas suspeitos e o restante sob vigilância epidemiológica.

As províncias de Havana, Santiago de Cuba e Camagüey relataram o maior número de pacientes do dia com 339, 205 e 183, respectivamente.

Em territórios de risco, incluindo Havana, um estudo de intervenção em saúde é aplicado com Abdala e Soberana 02, as duas vacinas candidatas mais avançadas das cinco desenvolvidas por Cuba.

O ensaio clínico em adolescentes de 12 a 18 anos com a Soberana 02 também começou esta semana naquela cidade.

Quase dois milhões de cubanos, de uma população de 11 milhões, receberam pelo menos uma dose dessas fórmulas como parte de ensaios clínicos e estudos de intervenção desenvolvidos paralelamente ao de saúde, segundo dados oficiais.

Os dois medicamentos estão em fase final de testes clínicos - aquele que determina a eficácia da potencial vacina - mas não possuem registro farmacológico, nem autorização de uso emergencial do órgão regulador do país.

As autoridades esperam obtê-lo neste mês de junho, quando for concluída a avaliação de sua eficácia e divulgados os resultados dos ensaios clínicos, o que permitiria o início da campanha de vacinação em massa.

Eles também confiam de que os resultados obtidos na segunda fase de testes terão mais de 50% de eficácia.