EFELaia Mataix, Madri

A Cúpula Social do Clima começou neste sábado, em Madri, na Espanha, como evento alternativo à Cúpula do Clima (COP25), já com o anúncio de um ultimato por "justiça social e climática", além de apelos pelo protagonismo dos povos indígenas e originais.

O fórum foi iniciado com a premissa de que é "necessário desmascarar a hipocrisia dos governos", já que por décadas foram poucas as ações reais para combater a mudança climática, pelo contrário, inclusive.

Ao todo, serão 350 atividades até a próxima sexta-feira, incluindo workshops, exposições, palestras e mesas redondas.

As associações que estão organizando a cúpula alternativa afirmaram, em comunicado, que a luta por justiça climática é a principal dos nossos tempos, e que só existirá havendo respeito com todos os seres que habitam o planeta.

Neste sábado, estavam programados o plantio de árvores, uma manifestação para impedir o que é classificado como "ecocídio", uma marca de bicicletas pelo clima, entre outros eventos.

Amanhã, acontecerão debates sobre soberania alimentar, ecologia e feminismo, assim como está previsto que aconteçam atividades para que seja dada voz aos povos latino-americanos.