EFECidade do México

"Democracia em vertigem", de Petra Costa, ganhou nesta segunda-feira o prêmio de melhor documentário da sétima edição dos Prêmios Platino Xcaret, cujos vencedores foram anunciados pela organização no YouTube devido à pandemia do coronavírus.

O filme lançado pela Netflix, muito polarizado no Brasil entre elogios e críticas por sua visão política, também foi indicado neste ano ao Oscar de melhor documentário.

No Platino, "Democracia em vertigem" concorreu ainda ao prêmio de melhor direção com as produções espanholas "Ara Malikian: uma vida entre as cordas", "Historias de nuestro cine" e "El cuadro".

Narrado em primeira pessoa pela diretora, o documentário relembra acontecimentos políticos decisivos ocorridos no país nos últimos anos, como a chegada ao poder de Luiz Inácio Lula da Silva em 2003, os bastidores do impeachment de Dilma Rousseff e a ascensão de Jair Bolsonaro.

Em entrevista à Agência Efe no Oscar, Petra Costa afirmou que estava orgulhosa de representar a América Latina na cerimônia.

"Estou muito emocionada. Com muita honra por estar aqui representando a América Latina: somos o único filme da América Latina a ser indicado neste ano", lembrou a diretora no tapete vermelho.

Por sua vez, em janeiro, o presidente Jair Bolsonaro declarou, sem vê-lo, que o filme é "uma obra de ficção", e outros políticos de direita afirmaram que havia um "lobby" da esquerda em Hollywood que queria derrubar o atual governo.