EFEDavos (Suíça)

O presidente da Colômbia, Iván Duque, pediu nesta terça-feira, no Fórum Econômico Mundial, em Davos, na Suíça, que se siga "perseverando" para que a Venezuela volta ao caminho da democracia.

"Não podemos ser indiferente diante da causa dessa tragédia humanitária, que é a ditadura de Nicolás Maduro", disse o chefe de Estado, em painel dedicado à América Latina.

"É preciso seguir perseverando todo o tempo que seja necessário, até que a Venezuela retome a democracia", completou Duque.

O presidente anunciou no Fórum de Davos que, no próximo mês, seu governo chegará a 1 milhão de beneficiários no regime temporário de proteção de migrantes venezuelanos, um ano depois do início do programa.

"Me disseram que era uma decisão impopular, mas acreditei que a consideração humana era o mais importante", explicou.

Duque indicou que o governo espera deixar, além disso, pronta as etapas de geometria e de registro para que outros 800 mil venezuelanos recebam o status antes de 7 de agosto, data que Duque deixará a presidência.

Além disso, o chefe de Estado afirmou que foi alcançada a "inserção real" dos beneficiários no sistema de saúde, nos serviços bancários e no acesso a habitação. EFE