EFECairo

O porta-voz do grupo jihadista Estado Islâmico (EI), Abu Hamza al Qurashi, chamou de "apóstata" o general iraniano Qasem Soleimani, chefe da Força Quds, unidade especial dos Guardiões da Revolução Islâmica, que foi morto em um ataque americano no início do mês perto do aeroporto de Bagdá.

Em uma mensagem de áudio de 37 minutos transmitida nesta segunda-feira e na qual, pela primeira vez, o EI menciona Soleimani após sua morte, Al Qurashi o classifica como "apóstata" e "safávida" (em referência a uma das grandes dinastias do império persa pós-islâmico, que reinou em meados do século XVI e alcançou uma grande expansão territorial) e pede a Deus para "amaldiçoá-lo".

Além disso, o porta-voz apelou aos "muçulmanos na Palestina e em todos os países que atuem como ponta de lança na luta contra judeus e para que seus planos fracassassem", como o "Acordo do Século", tendo como iniciativa do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, para resolver o conflito palestino-israelense, que provavelmente será anunciado amanhã.

Ele também pediu para lutar contra "aqueles que são semelhantes às facções de vergonha, cães iranianos e seus escravos", enquanto também critica os líderes americanos e do Iraque.

Al Qurashi também incentivou os combatentes do EI a "multiplicar o trabalho e intensificar os ataques" em vingança pela morte no final de outubro de 2019 do líder e fundador do grupo, Abu Bakr al Baghdadi, em uma operação das forças especiais dos EUA na cidade de Barisha, na Síria, a apenas seis quilômetros da fronteira com a Turquia.

Além disso, o porta-voz também abençoou os juramentos de lealdade ao novo líder do EI, Abu Ibrahim al Hashemi al Qurashi, a quem ele apresenta como "comandante dos crentes e califa dos muçulmanos". EFE

se/phg