EFEGenebra

Os Estados Unidos vão aderir nesta quinta-feira à plataforma Covax, criada pela Organização Mundial da Saúde (OMS), para garantir uma distribuição equitativa das vacinas contra a Covid-19 em todo o mundo, anunciou a delegação americana à Comissão Executiva da organização.

O cientista Anthony Fauci, representante do novo governo Joe Biden perante a comissão, garantiu que os Estados Unidos "irão se juntar ao trabalho internacional pela pandemia, e por isso o presidente publicará hoje uma diretriz que contempla a incorporação dos EUA ao programa Covax".

Fauci fez este anúncio poucas horas depois de Biden notificar o secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, e o diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, que os EUA estavam cancelando os planos de deixar o organismo internacional de saúde.

O especialista disse à comissão da OMS que "os Estados Unidos continuarão com suas obrigações financeiras para com a organização" e com a colaboração técnica em todos os níveis, para contribuir na luta internacional contra a pandemia.

Além disso, o governo Biden "trabalhará com a OMS para fortalecer e reformar o órgão, melhorando seus mecanismos para que respondam mais adequadamente às emergências de saúde", disse ele.

Ontem, pouco depois de assumir a presidência, Biden emitiu uma ordem executiva para impedir que seu país deixasse a OMS, processo que Trump iniciou em julho do ano passado e que entraria em vigor um ano depois, ou seja, em julho de 2021. EFE

abc/phg