EFELondres

O ex-espião Sergei Skripal, envenenado no dia 4 de março em Salisbury, no Reino Unido, recebeu nesta sexta-feira alta do hospital dessa cidade no qual permanecia internado desde o ataque, do qual o país culpa a Rússia.

O Hospital Salisbury District publicou um comunicado no qual informou sobre a saída de Skripal, de 66 anos, e lembrou que, atendendo ao direito de confidencialidade do paciente, não pode dar "detalhes sobre o tratamento que recebeu".

O ex-espião, sua filha Yulia, de 33 anos, e o policial Nick Bailey entraram em contato com um agente nervoso de tipo militar identificado como Novichok, de fabricação russa, no dia 4 de março.

Enquanto o agente recebia alta 18 dias depois do fato, Yulia Skripal deixou o hospital no dia 10 de abril e, desde então, se desconhece seu paradeiro.

A conselheira delegada do hospital, Cara Charles-Barks, disse que é "fantástico" que Sergei Skripal esteja "suficientemente bem" para deixar a unidade e afirmou que a melhoria que tiveram tanto ele, como sua filha e o policial se deve ao "duro trabalho e profissionalismo" dos médicos.

"Este foi um tempo difícil para aqueles relacionados ao incidente, aos pacientes, ao pessoal de saúde e ao povo de Salisbury", afirmou Charles-Barks, agradecendo ao público seu "apoio", especialmente ao "pessoal clínico e àqueles que trabalham tanto em segredo".