EFESanto Domingo

Um tribunal da República Dominicana condenou nesta quinta-feira um ex-ministro e um empresário por envolvimento em um escândalo de corrupção envolvendo a construtora brasileira Odebrecht, que admitiu ter pagado US$ 92 milhões em propinas no país.

O ex-ministro de obras públicas Víctor Díaz Rúa, foi condenado a cinco anos de prisão, e o ex-representante da Odebrecht na República Dominicana Ángel Rondón, a oito anos de prisão. O tribunal absolveu outras quatro pessoas que estavam sob investigação.

Os dois réus também foram condenados pela Primeira Corte Colegiada do Distrito Nacional a pagar multas equivalentes a 200 salários mínimos.

Os outros quatro réus foram absolvidos de todas as acusações, incluindo o ex-presidente do Senado Andrés Bautista, os ex-senadores Tommy Galán e Roberto Rodríguez e o advogado Conrado Pittaluga.

Os três juízes da Primeira Corte Colegiada do Distrito Nacional não conseguiram analisar as acusações de propina em relação a várias das obras públicas que foram incluídas na acusação, porque os crimes já estavam prescritos antes da abertura da investigação.

O "caso Odebrecht" na República Dominicana investigou o pagamento de propinas pela construtora brasileira para obter contratos de obras públicas no país caribenho e conseguir aprovação parlamentar para o financiamento desses projetos.

A construtora assinou um acordo de leniência com o Ministério Público dominicano e prometeu pagar em multas US$ 184 milhões, o dobro da quantia distribuída em propinas no país. EFE