EFEBagdá

O principal porto do Iraque, Umm Qasr, localizado na província de Basra, no sul do país, foi reaberto nesta quinta-feira após uma semana de bloqueio por conta dos protestos que estão abalando o país e que também afetaram essas instalações fundamentais para a economia e exportação de petróleo.

A agência de notícias iraquiana "INA" informou que o porto reabriu hoje e que o tráfego nas estradas que levam a ele está funcionando normalmente, depois que os manifestantes bloquearam nos últimos dias a entrada e saída de veículos.

Na semana passada, os manifestantes que enfrentaram repetidamente as forças de segurança, impediram o funcionamento do local, bloqueando o acesso ao porto, assim como a circulação dos caminhões e também dos trabalhadores.

No último sábado, 120 pessoas ficaram feridas por conta de incidentes em Umm Qasr, onde a polícia utilizou gás lacrimogêneo e tiros para dispersar os manifestantes que bloqueavam o porto, de acordo com informações da Comissão de Direitos Humanos do Iraque.

Os bloqueios e destruição causados pelos protestos, assim como a paralisação de atividades em muitos setores, causaram perdas econômicas de US$ 6 bilhões, como revelou ontem Abdel karim Jalaf, porta-voz do comandante das Forças Armadas e do primeiro-ministro Adil Abdul-Mahdi.

A atual onda de protestos começou no dia 25 do mês passado e já deixou cerca de 100 pessoas, após um primeiro surto no início de outubro, onde quase 160 morreram em pouco mais de uma semana. Neste período, milhares de iraquianos ficaram feridos. EFE

sr-fc/phg