EFECabul

As forças do Afeganistão, com apoio aéreo dos Estados Unidos, expulsaram neste sábado os talibãs da cidade de Ghazni depois da forte ofensiva iniciada na sexta-feira pelos insurgentes, enquanto os combates continuam nos arredores.

"Os talibãs foram expulsos da cidade, continuam apenas os combates nas áreas de Khwaja Sanaee e da prisão, que estão bem longe da cidade", afirmou à Agência Efe o porta-voz do Ministério de Defesa afegão, Mohammad Radmanish.

A situação melhorou depois que as tropas afegãs receberam reforços e munição na tarde de ontem, o que fez com que agora o combate se limite a "manter o cordão de segurança da cidade", afirmou o porta-voz.

Radmanish explicou que, embora os estabelecimentos comerciais continuem fechados, em breve a normalidade voltará a Ghazni, capital da província homônima.

Segundo dados do Ministério de Defesa, 150 talibãs e dez membros das forças de segurança morreram na ofensiva. A forças americanas proporcionam apoio aéreo às tropas afegãs.

Um integrante do Parlamento provincial, Amanullah Kamrani, confirmou à Efe que "dentro da cidade não há combates", ao contrário de vários pontos dos arredores, com confrontos a uma distância de dois quilômetros e sete quilômetros do centro, como região da prisão. Os talibãs garantem ter o controle do complexo penitenciário.

"A prisão de Ghazni foi liberta há alguns instantes, todos os prisioneiros foram postos em liberdade e levados a uma região segura", informou pelo Twitter o principal porta-voz talibã, Zabihullah Mujahid, ao também dizer que os combates continuavam.

Essa foi a pior ofensiva dos talibãs contra uma capital provincial desde maio, quando conseguiram ocupar a cidade de Farah durante um curto período de tempo.

De acordo com informações divulgadas no final do ano passado pelo Congresso dos Estados Unidos, o governo afegão tem controle de aproximadamente 56% do país, os talibãs dominam 11% e o resto é território em disputa.