EFEGenebra

Jared Kushner, conselheiro e genro do presidente dos Estados Unidos Donald Trump, e a alemã Annegret Kramp-Karrenbauer, provável sucessora da chanceler Angela Merkel, são alguns dos convidados à reunião que acontece de portas fechadas do exclusivo e sigiloso Clube Bilderberg, que começa nesta quinta-feira na Suíça.

Os encontros acontecerão em um hotel que não foi especificado pelos organizadores na cidade de Montreux, às margens do Lago Leman e de onde se tem uma vista extraordinária dos Alpes suíços e franceses, no qual os participantes se hospedarão e se reunirão durante quatro dias.

O conselheiro de segurança americano Jim Baker, o governador do Banco da Inglaterra, Mark Carney, assim como vários políticos europeus do primeiro escalão, como o ex-presidente da Comissão Europeia, José Manuel Barroso, e ex-primeiro-ministro da Itália, Matteo Renzi, também confirmaram participação na reunião anual.

O seleto clube criado em 1954 também convidou este ano 130 políticos, empresários e jornalistas de 23 países da Europa e da América do Norte, mas os profissionais de informação participam de forma estritamente pessoal e não têm o direito de reportar o que acontece ou é dito nas reuniões.

A edição de número 67 da reunião do Clube Bilderberg tem em sua agenda de discussão a situação da Rússia e da China, os dilemas éticos da inteligência artificial, o uso das redes sociais como arma e a manutenção de "uma ordem estratégica estável".

As reuniões, como é habitual neste clube que alguns veem como uma espécie de "poder nas sombras", estarão fechadas à imprensa "para criar o maior nível de abertura e diálogo" entre os presentes, disseram à Agência Efe os organizadores.

O clube, que adota o nome do hotel holandês onde aconteceu a primeira reunião, foi criado pelo príncipe Bernhard da Holanda com a ideia de melhorar o diálogo entre Europa e América do Norte, diante do receio que havia nos anos 50 em alguns círculos europeus sobre a da aplicação do Plano Marshall.

Em todas as reuniões rege a Regra de Chatham House, que estabelece que os participantes são livres para usar as informações recebidas, mas que nem a identidade nem a afiliação dos oradores, nem de nenhum outro membro, podem ser reveladas.