EFEAlgeciras (Espanha)

A Suprema Corte de Gibraltar decidiu nesta quinta-feira liberar o petroleiro Grace 1, que estava retido em Coluna de Hércules desde o dia 4 de julho, depois que as autoridades gibraltarinas receberam do Irã garantias de que o petróleo transportado não será desembarcado na Síria.

Em comunicado, o ministro principal de Gibraltar, Fabian Picardo, informou a liberação da embarcação e disse que no momento da detenção havia provas de que a carga, de 2,1 milhões de barris, estava sendo levada para a refinaria de Baniyas, na Síria. A matéria-prima pertence à Companhia Nacional de Petróleo do Irã.

A Síria foi punida pela União Europeia pela repressão exercida pelo regime do presidente Bashar al Assad contra a população civil e, entre as sanções, estão o corte no fornecimento de petróleo.

Picardo disse que nas últimas semanas teve reuniões e conversas com representantes do Irã para tentar diminuir a tensão e facilitar a liberação do petroleiro depois que todos os requisitos legais fossem atendidos. As garantias chegaram por escrito na última terça, segundo o ministro, que tirou as acusações contra o navio nesta quinta, o que motivou a Suprema Corte a liberá-lo.

Mais cedo, o Departamento de Justiça dos Estados Unidos solicitou que fosse iniciado um novo procedimento legal para que o petroleiro continuasse detido. Além disso, a Índia havia conseguido a liberação dos 24 integrantes da tripulação nascidos no país. EFE

rrm/dr