EFESan Francisco (EUA)

O Google e a News Corp, editora de jornais como "The Times", "The Sun", "The Wall Street Journal" e "The New York Post", anunciaram nesta quarta-feira um acordo pelo qual o gigante da internet pagará para exibir o conteúdo desses periódicos na seção de notícias do mecanismo de busca.

Em um comunicado, as duas empresas descreveram o acordo como "histórico", dados os conflitos que o Google tem tido durante anos com editoras em todo o mundo. Ambas disseram que a aliança "terá benefícios substanciais para o jornalismo e a sociedade".

É um acordo de três anos pelo qual o Google pagará à News Corp em troca de poder mostrar as notícias produzidas pelos diferentes jornais que possui na seção destacada do Google News. Os valores envolvidos não foram detalhados, apenas definidos como "quantias significativas".

O acerto inclui também planos para desenvolver uma plataforma de assinatura, compartilhar a receita publicitária gerada por esse conteúdo e para que o YouTube, portal de propriedade do Google, invista em projetos de jornalismo de vídeo e rádio.

O anúncio de quarta-feira vem como um comitê legislativo do Parlamento australiano que está considerando um projeto de lei para forçar as empresas de tecnologia a concordar em pagar por notícias e conteúdos que elas publicam, mas que a imprensa cria.

Caso as plataformas de internet e a mídia tradicional não cheguem a um acordo, o governo australiano pretende que um tribunal medeie entre ambas as partes e decida o valor a ser pago, algo que gigantes da internet, incluindo também o Facebook, ao ponto de o Google até ameaçar parar de operar na Austrália.

Em paralelo ao anúncio de hoje, o mecanismo de busca chegou recentemente a um acordo semelhante com 121 editoras na França e em tempos recentes fechou contratos particulares com editoras em Brasil, Argentina, Alemanha e Reino Unido.

Na Espanha, o Google News está fechado desde 2014, depois que o Congresso aprovou uma lei que obriga os agregadores de notícias a pagar por uma licença que lhes permite utilizar notícias de terceiros.