EFENova Délhi

O governo da Índia iniciará no dia 8 de junho a primeira das três fases de relaxamento das medidas de confinamento iniciadas em 25 de março para conter a expansão do novo coronavírus, mas destacou que as "zonas de contenção" com mais infectados continuarão com restrições totais até 30 de junho.

A curva de contágios de Covid-19 no país, de 1,3 bilhão de habitantes, continua aumentando, com mais de 173 mil casos confirmados e 4.971 mortes causadas pela doença.

"Fora das zonas de contenção, serão permitidas todas as atividades, exceto as seguintes (que forem sendo permitidas) em fases", informou o Ministério do Interior indiano em comunicado.

Na primeira das fases, que começará em 8 de junho, se destaca a permissão para a reabertura de hotéis, restaurantes, locais de culto e centros comerciais, que deverão seguir recomendações de segurança do Ministério da Saúde para evitar que possíveis contágios se multipliquem.

Para a segunda fase, espera-se a reabertura de instituições de ensino, mas o início desta etapa não ocorrerá até julho. As autoridades terão tempo para anunciar ou não o começo do novo ano letivo em agosto.

Por último, na fase três, serão anunciadas as datas para a reabertura de importantes setores como voos internacionais, metrô, cinemas, academias, centros culturais e estádios esportivos.

Até novo aviso, continuará valendo o toque de recolher noturno, entre 21h e 5h, exceto para serviços essenciais. As "zonas de contenção" manterão um confinamento rígido até 30 de junho.

O governo também recomenda que os maiores de 65 anos, grávidas, pessoas com doenças crônicas e menos de 10 anos permaneçam em casa. EFE

mt/vnm