EFETóquio

O Japão anunciou nesta quinta-feira a confirmação de mais 44 casos de infecções a bordo do cruzeiro em quarentena em suas águas e decidiu autorizar o desembarque de algumas pessoas com mais de 80 anos de idade e outras que deram negativo nos exames para acabar com o isolamento em terra.

Já haviam sido detectados 218 casos no navio Diamond Princess, onde cerca de 3,7 mil passageiros foram colocados em quarentena no último dia 3 nas águas em frente ao porto da cidade de Yokohama, ao sul de Tóquio, depois que um passageiro que desembarcou em Hong Kong foi identificado como portador do vírus.

Em sua entrevista coletiva diária para relatar os resultados a bordo, o Ministro da Saúde do Japão, Katsunobu Kato, explicou que esses aspectos positivos estão incluídos nos exames realizados em 221 pessoas.

Levando em consideração os quase 30 casos detectados em terra, o Japão já confirmou 247 casos de coronavírus sob a sua jurisdição, o maior número fora da China, onde os infectados são cerca de 60 mil, dos quais mais de 1,3 mil morreram.

O Ministério da Saúde também anunciou sua decisão de autorizar o desembarque de pessoas com mais de 80 anos de idade com problemas de saúde subjacentes, cujos quartos não têm janelas (ou não abrem) e pessoas com doenças crônicas em geral que deram negativo para o vírus e concordam em terminar o período de quarentena em instalações designadas pelo governo.

Dos 2.666 passageiros que estavam a bordo do navio quando a quarentena teve início (aqueles que deram positivo já foram transferidos para hospitais), 226 têm mais de 80 anos de idade.

As autoridades japonesas pediram aos passageiros do cruzeiro permanecessem em seus quartos durante o período de quarentena decretado, que expira na próxima quarta-feira, dia 19.

A possibilidade do governo japonês permitir o desembarque de passageiros idosos vinha sendo considerada há vários dias, depois que especialistas médicos apontaram que o estresse gerado por permanecer tanto tempo trancado no navio poderia agravar a saúde de muitos deles. EFE

mra/phg

(foto)(vídeo)