EFEWashington

O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, recebeu nesta segunda-feira a terceira dose da vacina contra a covid-19 desenvolvida pela companhia Pfizer, três dias após a autorização da aplicação da injeção de reforço em grupos de vulneráveis.

Em um auditório da Casa Branca, na presença de jornalistas, o chefe de governo, que completará 79 anos no dia 20 de novembro, foi atendido por uma enfermeira.

"Sei que não parece, mas tenho mais de 65 anos, muito mais. Por isso, recebo hoje minha dose de reforço", brincou o presidente, em referência a idade que abre a faixa daqueles que podem receber a terceira aplicação da vacina.

Na última sexta-feira, o Centro de Controle e Prevenção de Doenças dos EUA (CDC, pela sigla em inglês), autorizou a administração da dose de reforço com o imunizante da Pfizer para cerca de 20 milhões de pessoas, que receberam a segunda há, pelo menos, seis meses.

Além de quem tem mais de 65 anos, também estão liberados adultos com algumas comorbidades, trabalhadores com risco alto de contágio, como profissionais da saúde e professores, entre outros, que também tenham sido alvo da aplicação de duas doses.

Biden havia recebido a segunda aplicação da vacina da Pfizer em 11 de janeiro e buscou estimular a população a procurarem os locais de imunização.

"As doses de reforço são importantes, mas o mais importante que precisamos fazer é conseguir que mais gente se vacine", garantiu o presidente.

De acordo com dados oficiais, 25% da população americana que cumpre as condições para ser imunizada, sequer recebeu a primeira dose, o que equivale a 70 milhões de pessoas.