EFEHong Kong

Um tribunal de apelação de Hong Kong manteve nesta segunda-feira a proibição, decidida pela polícia na semana passada, para uma manifestação prevista para amanhã, no Dia Nacional da China, segundo informações da emissora local "RTHK".

Deste modo, a Frente Civil dos Direitos Humanos (CHRF, sigla em inglês) perdeu o recurso para realizar estas manifestações no mesmo dia em que a China vai comemorar o seu 70º aniversário da fundação da República Popular.

Um dos líderes da CHRF, Jimmy Sham, disse que o tribunal esteve de acordo com o critério da polícia de que "diante dos últimos confrontos, há uma alta probabilidade de que os protestos terminem de maneira caótica e que a CHRF não pode garantir a segurança dos participantes".

Por isso, Sham afirmou que a CHRF tinha cancelado a convocação - uma manifestação saindo da Baía de Causeway até o Distrito Central - e lamentou que as liberdades do povo de Hong Kong continuassem corroendo.

Por sua vez, Bonnie Leung, outra líder do grupo que convocou as principais manifestações nos últimos meses em Hong Kong, opinou que muita gente estará na rua para protestar, apesar da proibição.

"Mandaremos as nossas bençãos a todas as pessoas que foram para as ruas amanhã, e também que tomem cuidado e não façam sacrifícios", apontou Leung.

A confirmação do veto à manifestação da CHRF ocorre após um fim de semana de confrontos entre a polícia e alguns manifestantes.

Em todas as ocasiões que a polícia negou autorização para as manifestações, as pessoas foram para as ruas de maneira espontânea e muitas destes protestos improvisados terminaram em confrontos entre agentes e radicais.