EFEBilbao (Espanha)

As forças de segurança e a Justiça espanholas realizam uma operação para confiscar vários bens que pertencem a mais de 50 pessoas condenadas por diferentes crimes de terrorismo relacionados com a ETA.

O objetivo seria que esses bens servissem para o eventual pagamento de indenizações a vítimas do terrorismo da ETA.

Segundo informou o Ministério do Interior, trata-se de condenados tanto por atentados terroristas como por ações de violência popular que têm dívidas contraídas com o Estado e que ascenderiam a mais de oito milhões de euro.

No marco desta operação, denominada "Zerga" (imposto, em idioma basco) foram embargadas mais de 45 contas bancárias e identificadas 14 propriedades imobiliárias pertencentes aos condenados.

Em declarações desde Mallorca (Ilhas Baleares), o ministro do Interior, Juan Ignacio Zoido, afirmou que essa operação, que foi impulsionada pela Guarda Civil e a Audiência Nacional, demonstra a continuidade na luta antiterrorista à qual se comprometeu o Governo após o anúncio de dissolução da ETA.

Em 3 de maio, o grupo terrorista anunciou em comunicado o "final de sua trajetória" e o "desmantelamento" total "do conjunto de suas estruturas", depois de mais de meio século de ações armadas nas quais deixou mais de 850 mortos.

Zoido ressaltou que o confisco de bens permitirá assegurar o ressarcimento às suas vítimas em aplicação às sentenças judiciais.

Além dos imóveis, estão sendo confiscados veículos pertencentes a membros da ETA condenados pelos tribunais.