EFEMontevidéu

O presidente do Uruguai, Luis Lacalle Pou, viajará nesta quarta-feira ao Brasil para ser recebido pelo presidente Jair Bolsonaro na primeira viagem oficial do uruguaio desde que tomou posse, em 1º de março de 2020.

Lacalle Pou, junto ao ministro das Relações Exteriores, Francisco Bustillo, serão recebidos também pelo chanceler brasileiro, Ernesto Araújo, na residência de Bolsonaro, onde almoçarão e debaterão assuntos bilaterais.

Dias atrás, Bustillo confirmou ao jornal local "El País" que este será "um excelente exemplo de troca para ambos os países" e que a intenção é impulsionar as relações bilaterais, colocar sobre a mesa todas as questões da "rica relação que historicamente existiu entre Uruguai e Brasil".

O ministro uruguaio afirmou que este encontro servirá para dialogar sobre a "projeção internacional", já que poderão conversar em privado sem deixar de lado "nenhum tema" importante para ambos os países.

Desde que foi declarada a emergência sanitária no Uruguai, em 13 de março, devido os primeiros casos de covid-19 no país, a fronteira com o Brasil tem sido um dos principais problemas para o governo uruguaio porque cidades como Rivera e Chuy têm uma vida binacional com as vizinhas Santana do Livramento e Chuí, com movimentações populacionais diárias para o trabalho ou compras.

O departamento de Rivera, cuja capital é a cidade de mesmo nome, ainda se encontra na zona vermelha de risco de acordo com os critérios de Harvard e terá de tomar especial cuidado após a reabertura parcial das fronteiras que, desde 1º de fevereiro, permitiu a entrada de uruguaios e residentes estrangeiros no país, suspensa em 21 de dezembro.

Com a visita, Lacalle Pou terá realizado reuniões com os dois vizinhos de fronteiras. Em novembro de 2020, o presidente uruguaio recebeu o mandatário argentino, Alberto Fernández, no rancho presidencial de Anchorena, localizado em Colonia del Sacramento, onde fizeram um churrasco.