EFEWashington

O líder da maioria republicana no Senado, Mitch McConnell, propôs nesta segunda-feira um calendário "comprimido" para o julgamento do impeachment do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, que pode chegar ao fim na semana que vem caso não sejam apresentadas provas ou testemunhas adicionais.

O plano de McConnell oferece um total de 24 horas aos promotores nomeados pela Câmara dos Representantes e à defesa da Casa Branca, mas concentrados em dois dias, então as jornadas se prolongariam até a meia-noite.

Na continuação, haveria um período de perguntas e respostas de 16 horas, seguido por um debate e uma votação sobre se serão consideradas mais provas e testemunhas.

Os republicanos contam com uma maioria de 53 votos no Senado, contra 47 da oposição, motivo pelo qual os democratas necessitam o apoio de pelo menos quatro senadores republicanos para recusarem a iniciativa de McConnell e prolongarem o processo com novos documentos e testemunhas.

A pressão agora está sobre um grupo de senadores republicanos moderados. Entre eles, a imprensa americana cita Mitt Romney (Utah), Susan Collins (Maine), Lamar Alexander (Tennessee) e Lisa Murkowski (Alaska), que poderiam abrir a porta para o prolongamento do processo.

Esta proposta será submetida a votação nesta terça-feira, na abertura formal do julgamento, que é comandado pelo presidente da Suprema Corte, John Roberts, e no qual os 100 senadores atuarão como jurados.

Minutos depois de saber a resolução, os democratas criticaram duramente o plano.

"Está claro que o senador McConnell está teimando em complicar a adição de testemunhas e documentos para apressar todo o julgamento", disse Chuck Schumer, líder da minoria democrata, em comunicado.

As acusações contra Trump foram aprovadas em dezembro pela Câmara dos Representantes, de maioria democrata, após meses de investigação dos congressistas sobre a pressão feita por Trump ao presidente da Ucrânia.