EFEBuenos Aires

O presidente da Argentina, Mauricio Macri, disse nesta quinta-feira que nas eleições de 27 de outubro o povo argentino precisará decidir quais valores devem guiar o país nos próximos quatro anos e apontou a honestidade e a liberdade de expressão são as maiores qualidades de seu governo.

"Queremos viver em um país onde se governa para todos, com absoluta liberdade, em que cada um possa se expressar sem medo, porque o medo é o que faz retroceder", disse Macri, que busca a reeleição, durante a inauguração das obras para remodelar o aeroporto internacional da cidade de Jujuy, no norte do país.

Nas primárias do dia 11 de agosto, uma espécie de termômetro para as eleições gerais de 27 de outubro, Macri terminou 16 pontos percentuais atrás do peronista Alberto Fernández. A chapa opositora conta com a ex-presidente Cristina Kirchner como candidata a vice.

O resultado complicou as aspirações do atual presidente argentino de ser reeleito e teve um impacto fulminante na bolsa de valores de Buenos Aires, que registrou fortes quedas, e no preço do dólar, que disparou.

Além disso, alguns setores temem que uma possível vitória de Fernández possa dar início a um novo ciclo de desvalorização do peso argentino, o que impactaria ainda mais a já alta inflação e agravaria a recessão que o país atravessa desde abril de 2018.

"Por isso estou aqui cuidando do país. Estou me dedicando a levar alívio à mesa dos argentinos. É urgente e fundamental cuidar disso. Mas também é fundamental fazer tudo aquilo que jamais foi feito para crescer, não só hoje, mas no futuro", ressaltou Macri, um crítico feroz da gestão kirchnerista, acusada de vários escândalos de corrupção.

O presidente argentino avaliou que, entre as maiores conquistas de seu mandato, iniciado em dezembro de 2015, se destacam as reformas em rodovias, melhorias na educação, a modernização do Estado, a democratização do acesso à internet e a retomada da geração de energia pelo próprio país.

"Tudo isso vem sendo feito com honestidade e transparência. São valores inegociáveis, porque os argentinos escolhem viver assim", afirmou.

Por isso, Macri considera que, nas eleições de outubro, a população deverá "decidir quais valores guiarão o país" pelos próximos quatro anos.

O presidente disse ainda que as obras públicas devem ser sinônimo de desenvolvimento real e abranger projetos que gerem empregos e uma maior qualidade de vida à população local.