EFEWatford (Reino Unido)

O presidente da França, Emmanuel Macron, defendeu nesta quarta-feira que os integrantes da aliança não se preocupem tanto em debater o dinheiro gasto com Defesa, mas sim no que podem fazer no combate ao terrorismo.

"Penso que nossos debates devem girar em torno de outros assuntos para além da questão orçamentária e financeira", afirmou o líder, em alusão ao pedido do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, para que aliados e europeus e o Canadá invistam mais em Defesa.

"Quem é nosso inimigo? Como atuamos juntos contra o terrorismo internacional, em particular?", indagou Macron, sobre os pontos que acredita serem os principais no debate na Otan.

O mandatário, inclusive, não desconversou ao ser questionado sobre a declaração de acreditar que a Aliança está em "morte cerebral" e sustentou a necessidade de falar sobre a situação da aliança.

"Assumo totalmente o que disse. Isso permitiu que fossem suscitados debates que eram indispensáveis", disse o presidente da França, na chegada à Cúpula da aliança, que está sendo realizada nos arredores de Londres.

Macron lembrou que é necessidade de discutir muitos assuntos, especialmente sobre o fim do tratado INF (Tratado de Forças Nucleares de Alcance Intermediário), e que isso diz respeito a todos os integrantes da Otan.